Uma maçã por dia afasta doenças?

Deixe um comentário

Existe um ditado americano que diz: An apple a day keeps the doctor away (uma maçã por dia mantém o médico longe).

Mas além do fato de que a frase rima em inglês (o que faz com seja divertido dizer e fácil de lembrar), será que realmente tem algum valor? Será que a maçã pode ajudar a manter a saúde perfeita?

A primeira menção impressa deste ditado pode ser encontrada na edição de fevereiro de 1866 da publicação Notes and Queries. Lá o provérbio aparece assim: “Coma uma maçã ao ir para a cama e você impedirá que o médico ganhe seu pão”. Mais de 150 anos depois, variações deste ditado ainda são citadas. É improvável que o ditado tivesse mantido tal popularidade se não houvesse alguma verdade nisso, certo?

Com isso em mente, vamos considerar alguns dos componentes da maçã e o que eles fazem por nossa saúde:

  • Pectina > a pectina é uma fibra solúvel que reduz a pressão arterial e os níveis de glicose no sangue. Também pode diminuir os níveis de LDL, conhecido como colesterol “ruim”, no corpo. Como outras fibras, ajuda a manter a saúde do sistema digestivo. As maçãs são uma excelente fonte de pectina;
  • Boro > um nutriente encontrado em abundância nas maçãs, o boro ajuda a manter os ossos fortes e um cérebro saudável;
  • Quercetina > um flavonóide, este nutriente ajuda a reduzir o risco de vários tipos de câncer, incluindo os de pulmão e mama. Também pode reduzir os danos causados ​​pelos radicais livres. Os radicais livres se desenvolvem quando átomos nas células do corpo têm elétrons desemparelhados, o que pode levar a danos em diferentes partes da célula, incluindo o DNA. A quercetina pode neutralizar os danos dos radicais livres, o que tem sido implicado em uma variedade de problemas de saúde relacionados à idade, incluindo a doença de Alzheimer.
  • Vitamina C > aumenta a imunidade, o que ajuda a manter a boa saúde em geral;
  • Fitonutrientes > maçãs são ricas em uma variedade de fitonutrientes, incluindo vitaminas A e E e beta-caroteno. Estes compostos combatem os danos causados ​​pelos radicais livres e podem ter um profundo efeito na saúde, incluindo a redução do risco de doenças cardíacas, diabetes e asma.

Além de tudo isso, as maçãs também agem como uma escova de dentes, limpando os dentes e matando bactérias na boca, o que pode reduzir o risco de cáries. A fruta também tem baixa densidade calórica, uma das marcas registradas de um alimento saudável. Quando um alimento tem baixa densidade calórica, você pode comer porções maiores por relativamente poucas calorias. Além disso, as maçãs são acessíveis a todos os bolsos e estão disponíveis praticamente o ano todo.

Com todas essas informações, é fácil ver que, sim, uma maçã tem seus benefícios para a saúde. Mas comer uma maçã todos os dias significa que você nunca ficará doente? E uma maçã é realmente mais saudável que outras frutas?

Maçãs são o segredo de uma vida longa?

roberta-sorge-156305-unsplash

© roberta sorge (foto no destaque © thammie cascales)

Uma maçã por dia pode reduzir o risco de diabetes, pressão alta e muitos tipos de câncer. Mas você seria capaz de evitar o médico completamente só comendo quilos e quilos do fruto proibido? Não é provável. Vários estudos mostram benefícios para a saúde quando os participantes comem uma maçã entre de três a cinco vezes por semana, mas nem todas as doenças podem ser curadas somente com dieta.

Outras frutas são tão boas para você quanto maçãs? Certamente. Todas as frutas são carregadas com nutrientes que são blocos que ajudam a construir uma boa saúde. As bananas são cheias de potássio, o que é importante para um coração saudável e função muscular adequada. As amoras são têm muitas fibras e os morangos contêm vitamina C de sobra. Outras frutas vermelhas, como blueberries, ajudam a prevenir e combater infecções do trato urinário. Damascos, frescos ou secos, são ricos em beta-caroteno.

Ao escolher as bebidas, o suco de maçã quase não chega ao top 10. O suco de romã, o vinho e o suco de uva roxa são ricos em antioxidantes, com o suco de maçã no décimo lugar, logo atrás do chá. Uma das coisas que torna as maçãs tão incrivelmente saudáveis ​​é a quantidade de fibras que elas contêm, mas que é perdida quando viram suco.

Se todas as frutas são potências nutricionais, por que as maçãs são as únicas a serem incluídas no folclore? Na época em que surgiu o provérbio, as maçãs eram fáceis de cultivar (e ainda são). Uma vez colhidas, elas podem permanecer armazenadas por quase um ano. Estudos recentes mostraram que, ao contrário de muitas frutas e vegetais, os benefícios nutricionais das maçãs permanecem relativamente estáveis ​​até 200 dias após a colheita [fonte: Boyer and Liu].

Embora uma maçã por dia seja um bom caminho para manter o médico longe, a maioria dos nutricionistas recomenda uma dieta variada. Além de maçãs, preencha seu carrinho de compras com frutas cítricas, guloseimas tropicais, como mangas, e uma variedade de frutas silvestres, que completam o pacote nutricional. Comer várias porções de uma variada seleção de frutas a cada dia é realmente a melhor maneira de manter o médico afastado.

[Clique aqui para ler o artigo original em inglês]

::::::::

Leia também:

 

Anúncios

7 motivos para estar sempre com fome

2 Comentários

Você come uma boa quantidade de comida mas parece estar sempre com fome. Sensação familiar? Pois saiba que alguns fatores podem estar colaborando (e muito) para que isso aconteça.

Uma coisa é sentir o apetite aumentar por conta treinar mais forte ou porque se está grávida. Outra é quando você se sente um saco sem fundo sem nenhuma razão óbvia. Algo está errado.

“A fome é a necessidade fisiológica por calorias, água e sal, criada por uma mistura de fatores, incluindo sua dieta, seus hormônios e fatores emocionais, como estresse”, diz Maggie Moon, nutricionista de Los Angeles e dona da Everyday Healthy Eating.

Descobrir porque você não consegue parar de comer é importante porque o excesso de fome pode indicar um problema físico ou mental – e ceder a essa necessidade de alimentação pode colocar seu IMC em um território não saudável muito perigoso.

Alguns fatores podem ajudar a explicar porque seus olhos estão maiores que sua barriga.

Você está desidratadx
“A desidratação leve é muitas vezes mascarada com a sensação de fome, quando realmente o seu corpo apenas precisa de fluidos”, diz Alissa Rumsey, porta-voz da Academia Americana de Nutrição e Dietética. A confusão ocorre no hipotálamo, a parte do cérebro que regula o apetite e a sede. Quando a desidratação se instala, fios se cruzam no hipotálamo, levando você a pegar um saco de batatas quando você realmente precisa de uma garrafa de água. “Para impedir isso é preciso manter a ingestão de líquidos na quantidade máxima, começando com um copo de água logo ao acordar, na primeira hora da manhã”, aconselha Rumsey. “Se você sentir fome, e não bebeu muita água naquele dia, tente beber um copo e aguarde 15 a 20 minutos para ver se sua fome diminui”.

Você não tem um sono tranquilo
No momento em que você acorda depois de uma noite mal dormida, dois hormônios ligados ao apetite já começaram a trabalhar contra você. “Pouco sono pode levar ao aumento dos níveis de grelina, hormônio que estimula o apetite, além da redução da leptina, hormônio que causa sentimentos de bem estar“, diz Rumsey. A falta de sono de boa qualidade, mais pesado, em uma base regular torna você voraz por outro motivo. Após um sono pobre aumentam as chances de se ter fadiga e brain fog. Seu sistema, desesperado por um tiro de energia, desencadeia o desejo por carboidratos de açúcar, mesmo se você não está realmente com fome. Coloque como meta ter de 7 a 8 horas de sono por noite e os níveis de energia e hormônios da fome voltarão aos trilhos.

yogesh-rahamatkar-371998

© Yogesh Rahamatkar

 Você está estressadx
Quem nunca teve um dia de trabalho com a pressão nas alturas ou um relacionamento difícil e se pegou desejando descontroladamente um super combo de fast food que atire a primeira pedra. O estresse vai chegando de mansinho e de repente abre seu apetite de maneira voraz. Quando você está tenso, seu sistema aumenta a produção dos hormônios do estresse, adrenalina e cortisol, diz Rumsey. Níveis elevados desses hormônios levam seu sistema a pensar que você está sob ataque e precisa de energia, então seu apetite começa a aumentar. O estresse também reduz os níveis de serotonina e isso pode fazer você sentir fome quando não está realmente com fome, diz Moon. Tente prestar atenção nisso e coloque uma atividade como yoga ou meditação no seu dia a dia. Não dá tempo ou não é a sua praia? Então pare 30 minutos antes de dormir e escute uma playlist cheia de músicas que fazem você relaxar.

Você bebe muito álcool
Sabe aquele coquetel ou taça de vinho que você bebe antes do jantar? Ele realmente faz exatamente isso: estimula a sensação de fome, mesmo que seu estômago esteja cheio, diz Moon. Um estudo publicado na revista Appetite mostrou que as pessoas ficavam mais propensas a consumir alimentos com mais calorias depois de ingerir álcool. Além disso,  bebidas alcóolicas causam desidratação, o que faz com que o corpo tenha a falsa sensação de fome quando tudo o que você realmente precisa é de água. Compense esse  efeito comendo antes de beber e certifique-se de alternar seus coquetéis com água para manter-se hidratado, diz Rumsey.

Você é bombardeado por food porn
Imagens de receitas sensacionais no Pinterest. Fotos no Facebook dos almoços dos seus amigos. Anúncios de pizza delivery bem tarde na tevê. Com imagens de comida pipocando em nossas vidas 24 por 7, não é de admirar que muitos de nós estejamos o tempo todo com vontade de comer. A conexão entre o que vemos e o que desejamos foi provada pela ciência: um estudo de 2012 da revista Obesity descobriu que apenas olhar para a comida aumentava os níveis de grelina, o hormônio da fome. Sentir o cheiro de comida tem um efeito semelhante, diz Moon. “Aquele cheirinho gostoso de estimula uma reação fisiológica involuntária: a boca saliva e o estômago se contrai, imitando a fome”, diz ela. Claro, você não pode eliminar totalmente a possibilidade de ver ou cheirar comida. Mas tente limitar sua exposição: ignore comerciais e pare de seguir marcas de comida no Instagram.

Você come muito rápido
Quando você engole sua refeição sem nem mastigar direito, seu estômago pode ficar cheio logo, mas seu cérebro não tem tempo de processar a mensagem de saciedade com essa mesma rapidez. Quando seu cérebro ainda está no escuro, seu apetite não diminui… e você continua comendo. Um estudo publicado em 2013 no Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism mostrou que comer em um ritmo mais lento estimula a liberação de hormônios que dizem ao seu cérebro “não quero mais”. Tente comer sua comida com calma, saboreando cada mordida, mastigando bastante e desfrutando do ritual gostoso que é fazer uma boa refeição. Quando terminar de comer o que tinha no seu prato, espere pelo menos 20 minutos antes de decidir se você realmente precisa repetir. Esse é o tempo que leva para que o sinal de saciedade chegue ao seu cérebro, diz Rumsey.

Você está tomando certos medicamentos
Alguns remédios de uso regular também podem fazer você querer assaltar a geladeira com frequência. Antidepressivos como Zoloft e Paxil, bem como corticosteroides como a prednisona (prescritos para tratar crises potencialmente perigosas do sistema imunológico devido a alergias, asma, doença inflamatória intestinal, como a doença de Crohn e alguns tipos de câncer), afetam o apetite, diz Rumsey. Se você estiver fazendo um tratamento como esses e sentir fome logo depois de uma refeição em que ingeriu uma quantidade normal de comida, converse com seu médico para ver se é possível trocar o medicamento prescrito.

[Matéria original em inglês]

::::::::

Leia também:

Diário: 30 dias de veganismo

Deixe um comentário

O tempo passa voando. Parece que foi ontem que contei sobre minha decisão de virar vegana aqui no blog, mas já faz um mês que finalmente iniciei meu caminho com mudanças definitivas em minha alimentação e nos produtos que utilizo.

Apesar de ter conseguido com sucesso quase total (sim, de vez em quando escorrego, pois sou humana e falível) retirar os alimentos de origem animal que faltavam da minha dieta (principalmente derivados de leite), sei que ainda vai demorar para que eu consiga substituir todos os produtos que utilizo por alternativas veganas.

Aprendi a fazer receitas deliciosas e muito simples que postarei aos poucos para que vocês possam testar e comprovar que é muito mais fácil do que se pensa se nutrir de maneira inteligente e rica.

Na parte dos cuidados de beleza, tive sorte em encontrar uma marca de cosméticos sem querer que está transformando minha pele e meus cabelos. Logo menos conto tudo pra vocês também. E quero testar outras marcas depois, dando destaque para pequenos produtores que colocam muito mais do que qualidade nos potinhos: ali dentro tem amor e propósito (essa palavra que está tão na moda ultimamente).

O que observei até aqui em mim:

  • Minha pele, extremamente problemática, sempre com acne, cravos, irritações, está muito mais lisa e radiante. Depois de uma reação super forte de eliminação de toxinas que piorou o quadro geral, as coisas só melhoram nas últimas semanas.
  • Sinto que todo o meu corpo está desinchando, como se o líquido retiro nas camadas mais profundas da pele estivesse sendo liberado. Não estou eliminando muito peso, a balança baixou apenas um quilo, mas no espelho parece muito mais.
  • Sempre soube que leite e derivados causavam maior produção e acúmulo de muco, mas agora estou comprovando isso: minha rinite alérgica sumiu. Desapareceu. Não sei mais o que é nariz escorrendo, espirros, coceira. Estou respirando como nunca aconteceu antes. É fantástico.
  • Meu cabelo parou de cair. Eu perdia muito cabelo diariamente. Ele estava ficando mais fino. Eu realmente estava preocupada. Mas depois de duas semanas da mudança de alimentação a queda se reduziu ao normal. Ouso dizer até que a quantidade é mínima. Isso se deve também aos produtos veganos que estou usando, os fios se transformaram. Depois de ter se rebelado pela mudança, agora estão ficando cada dia mais lindos, suaves, brilhantes. Parece magia negra. Mas é só alimentação saudável e produtos que realmente tratam.
  • Minhas unhas, que estavam partindo por nada, descamando, estão mais fortes. Sinto que melhoram a cada semana quando vou cuidar delas e reparo com mais atenção nos detalhes.
  • Sempre que me alimento, mesmo que coma uma grande quantidade de comida, me sinto muito mais leve. Não tenho sono depois das refeições e meu nível de energia cresceu.

Para 30 dias de dieta à base somente de frutas, vegetais, legumes, grãos e sementes, preciso dizer que estou bastante impressionada. Mesmo depois de ler e assistir informações de fontes confiáveis a respeito dos benefícios dessa alimentação natural e limpa, nunca poderia imaginar resultados tão rápidos e em tantas coisas.

Daqui algum tempo volto para falar mais da minha evolução e das impressões dessa mudança que está se mostrando como uma das melhores decisões que tomei em minha vida.

© fotos: Annie Spratt (abertura), Andres Carreno, Katie Smith, Edgar Castrejon e Gianna Ciaramello.

::::::::

Leia também:

Desafio 365 dias de água alcalina, ionizada e purificada: resultados

4 Comentários

filtro de agua purionParece que foi ontem que vieram instalar meu filtro ionizador de água alcalina Purion em casa. A proposta era testar todas as possibilidades que ele me oferecia – que eram muitas – e relatar as principais experiências aqui no blog pra vocês. Um desafio de 365 dias.

Nesse ano eu falei sobre minhas primeiras impressões, tirei dúvidas que as pessoas me mandaram em comentários e contei sobre o uso da água ácida que também tem utilidade prática e importante na limpeza de alimentos e até da casa da gente. Também dei um alerta sobre a ingestão de cloro na água que a gente bebe, mesmo em filtros considerados bons, e a certificação do filtro Purion que testei.

Emagreci mais alguns quilos (vou contar depois com detalhes aqui pra vocês o meu antes e depois que durou mais de dois anos!), mas acho que o mais importante foi o resultado para minha saúde geral. Todos os meus indicadores melhoraram: insulina, colesterol, ureia, creatinina, glicemia.

Continuo tendo problemas com minha pele, mas isso aconteceu porque descobri ter alguns cistos ovarianos que estão enlouquecendo meus hormônios. Para eles, infelizmente, a única saída é cirúrgica. Mas outros processos alérgicos, como a minha rinite, que acabava comprometendo muito as minhas vias aéreas – nariz, garganta, ouvido – melhoram de forma notável. Sumiram, praticamente.

É importante fazer uma observação aqui: esse processo de melhora e cura por meio da ingestão de água de qualidade não acontece de um dia para o outro. É contínuo. As mudanças podem estar acontecendo e você nem mesmo estar percebendo, porque é de dentro pra fora.

A minha ideia é continuar a fazer os testes e o acompanhamento médico para contar a vocês sobre os resultados a longo prazo. Eu volto nas próximas semanas para dizer se isso vai acontecer mesmo.

::::::

Leia também:

 

Anvisa e as novas regras sobre sujeira em industrializados

Deixe um comentário

Acho que todo mundo deve lembrar do episódio em que um consumidor processou a Coca-Cola por afirmar que havia ficado seriamente doente depois de beber de um recipiente do produto lacrado em que o cliente havia encontrado um rato morto. Até hoje ninguém sabe ao certo se a história era verídica, mas independente do resultado desse caso que ganhou a mídia, é muito importante saber que, sim, nos alimentos industrializados que consumimos existem fragmentos de insetos e roedores.

Essa semana a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estabeleceu um limite para essa quantidade de sujeira que será tolerada quando os produtos forem avaliados. E se você está achando isso um absurdo saiba que antes não existia um limite máximo para isso. Ou seja, sem esses parâmetros, as vigilâncias sanitárias tinham dificuldade na fiscalização e na aplicação de penalidades.

Na canela em pó, por exemplo, serão admitidos, em 50 gramas, até 100 fragmentos de insetos, como borboletas. Já na pimenta, em 50 gramas serão permitidos até 60 fragmentos de insetos, abaixo das restrições impostas no Canadá (200 em 50g) e nos Estados Unidos (474 em 50g).

Em palavras fáceis de entender: nós provavelmente já comemos muito pêlo de rato e pedaço de inseto na vida.

Para evitar continuar ingerindo coisas que não gostaria o melhor caminho continua sendo comer alimentos orgânicos, frescos, que se limpa e prepara em casa.

Água ácida 1: limpeza, higienização e conservação de alimentos

2 Comentários

Esse é um post que poderia ter o título de “Wow!” ou qualquer outra exclamação que se prefira no momento em que se surpreende com algo. Foi isso que aconteceu comigo em todas as vezes em que usei, conforme me foi indicado pelo pessoal da Purion, a água ácida para limpar e conservar melhor alimentos. E essa é apenas umas das coisas que se pode fazer com ela (estou testando mais propriedades e vou voltar pra contar tudo pra vocês aqui no blog).

Como já falei no post Testando a água alcalina ionizada: primeiras impressões, o filtro que estou testando oferece também a possibilidade de se escolher dois níveis de acidez na água ou ainda de aproveitar a água ácida que sai na pia enquanto a água alcalina sai na parte de cima do filtro.

Algumas pessoas me perguntaram sobre o aproveitamento da água que sai pela segunda saída do aparelho durante os processos de filtragem e ionização. A recomendação do pessoal da Purion é que se armazene essa água ácida para depois utilizá-la em diversos processos do dia a dia da casa, como, por exemplo, para higienizar frutas, legumes e verduras. O poder de limpeza dessa água é igual ou até maior do que quando se usa vinagre ou algum outro produto para matar germes e retirar agrotóxicos/pesticidas.

O ideal é deixar os alimentos na água ácida por cerca de 5 a 10 minutos e, depois de escorrer, finalizar com um jato de água alcalina. Além de limpar, esse processo ajuda a conservar por mais tempo os itens na geladeira.

Folhas mais verdes e vivas do que no dia em que comprei o maço na feira

Folhas mais verdes e vivas do que no dia em que comprei o maço na feira

Sim, sim, parece que estou lendo as instruções do fabricante, mas não estou. Confesso que não acreditava muito, mas depois de ver minhas verduras durarem o dobro do tempo com uma aparência fenomenal em um ambiente úmido tive de dar a mão a palmatória. É algo realmente impressionante de se observar. Minha mãe também ficou boba. Acho que qualquer pessoa que normalmente vê verduras murcharem na geladeira em 2 ou 3 dias iria se surpreender ao abrir um pote de rúcula e ver a imagem da foto depois de 6 dias.

Claro que não fiquei satisfeita com um teste apenas. Fiz isso em todas as compras de verduras desde que o filtro foi instalado e os resultados foram, sem exceção, os mesmos. Folhas verdes e vivas por muito mais tempo.

A hortelã também passou no teste com louvor.

A hortelã também passou no teste com louvor, depois de 5 dias de geladeira e aí está ela: folhas que não murcham e não perdem o viço. Incrível.

::::::::

Leia também:

6 alimentos que ajudam a ter a barriga dos sonhos

2 Comentários

Você, suas amigas, as inimigas, eu e o resto da população mundial gostaria de ter uma barriga lisa e sem gordura. Pois saiba que existem alimentos que ajudam na guerra contra as gorduras e inchaços abdominais trazendo para a realidade aquele sonho de exibir uma bela barriga em blusas curtinhas, no biquíni ou tirando a roupa pra quem você achar que deve.

Não são muitas as pessoas que conseguem exibir uma barriga tanquinho (se você tem uma, parabéns pra você!) mas ter uma cintura muito fora das medidas consideradas saudáveis para os médicos pode ser bem pior do que não conseguir vestir (ou tirar) as roupas que você gostaria. É uma questão de saúde. Quanto maior a circunferência abdominal, maiores os riscos de apresentar altos níveis de colesterol, problemas de pressão arterial, diabetes tipo 2 e até mesmo alguns tipos de câncer.

A verdade é que ter uma barriga muito proeminente está diretamente relacionado a uma condição chamada Síndrome Metabólica que aumenta o risco de ter doenças do coração, derrames e aumento dos depósitos de gordura no fígado. A boa notícia é que secando a sua barriga e mudando um pouco o seu estilo de vida você pode reverter os efeitos da síndrome e diminuir a chance de ter esses problemas além de diabetes – e até o mal de Alzheimer – pela metade.

Além de fazer exercícios físicos com regularidade (nem que seja somente ir/voltar a pé ao trabalho ou caminhar em ritmo acelerado no parque), a alimentação é peça chave para mudar pra melhor os seus prognósticos de saúde. E existem algumas frutas, verduras e ervas que podem ajudar muito na tarefa de desinchar e diminuir a barriga.

  • Melancia > deliciosa, refrescante e rica em licopeno, ela mais elevar os níveis de arginina no seu corpo, um aminoácido que aumenta o potencial do organismo para a queima de gordura. Cheia de líquido, a fruta ajuda o corpo a queimar gordura e ainda constrói massa magra. Apenas uma xícara por dia já dá conta do recado.
  • Endro > são as folhagens da erva-doce. Você pode adicionar aos vegetais, em especial ao repolho, aos peixes, sopas e guisados, na mostarda Dijon e nas maioneses com baixo teor de gordura para ajudar a eliminar gases. A erva também ajuda a quebrar os carboidratos e proteínas no intestino.
  • Abacaxi e mamão papaya > as duas frutas possuem a bromelina, uma enzima que tem propriedades antiinflamatórias e que ajuda na queima da gordura abdominal.
  • Hortelã > uma super queimadora de gordura abdominal. As folhas dessa erva desencadeiam a liberação de bile extra a partir da vesícula biliar, o que é importante porque ajuda o organismo a digerir a gordura. Uma receitinha rápida pra desinchar a barriga (pra entrar com mais facilidade naquele pretinho básico que está guardado no armário há tempos): adicionar 10 folhas de hortelã esmagadas a 2 a 4 xícaras de chá de dente de leão e tomar durante todo o dia.
  • Raiz de dente de leão > sabe aquelas florzinhas de soprar que a gente adora e acha que é mato? Pois então. Esse é a chamada Dente de Leão, uma erva com poderes desintoxicantes que faz o fígado trabalhar e elimina toxinas e excesso de água principalmente da área da cintura. Beba de 2 a 4 xícaras por dia (e não mais que isso porque é forte e pode ser perigoso, ok?).

Mais do que tudo, saiba que é preciso mudar a forma de ver sua vida,  o seu estilo de vida, para que os resultados apareçam – e permaneçam!

[Post original]

::::::::

Leia também:

Testando a água alcalina ionizada: primeiras impressões

30 Comentários

Selfie com meu filtro lindo porque ele merece :)

Selfie com meu filtro lindo porque ele merece :)

Estou me apaixonando perdidamente pelo meu filtro! Ele é lindo, inteligente, está me fazendo um bem enorme e o estoque de água alcalina é ilimitado! Tecnologia digna de causar ciúmes ao meu iPhone. :)

O interesse das pessoas também parece estar aumentando. O post onde explico sobre o desafio 365 de água alcalina ionizada está sendo super acessado, com vários comentários e perguntas, e eu acho isso muito positivo. Mais e mais gente se importando com a qualidade da água que se bebe!

Pra quem me perguntou sobre a possibilidade de alterar os níveis de PH da água: sim, é possível. São 5 níveis de alcalinidade: 7.5, 8.5, 9.0, 9.5 e 10. A recomendação da empresa é que se comece a tomar a água com PH em 7.5 e, de 15 em 15 dias, aumentar até chegar a 9.5. O nível de PH 10 (máximo que alcança o filtro) é indicado apenas para quem tem problemas digestivos ou intestinais mais sérios.

Mas atenção: aumentar muito rápido a ingestão de água extremamente alcalina pode ocasionar reações alérgicas porque o organismo começa a expulsar toxinas e isso pode aflorar de diversas maneiras: diarreias, pequenas lesões na pele, coceiras. Principalmente em quem está com o corpo mais ácido, ou seja, debilitado internamente. Por isso é preciso entender que não é um problema da água alcalina, mas que ela está literalmente limpando o organismo de dentro pra fora e essa “sujeira” precisa sair de alguma maneira.

O filtro ainda permite que se inverta o PH da água para usar água ácida em dois níveis: 3,5 (principalmente para limpar/higienizar frutas, verduras e legumes, eliminar a gordura excessiva de carnes e fazer limpeza) e 5,5 (para tratar a pele e os cabelos). Há ainda a possibilidade de fazer com que a água fique neutra ou purificada: ideal para a ingestão de medicamentos manipulados ou que se toma por receita médica. Também estou testando essas funcionalidades e volto pra contar melhor pra vocês.

Ainda estou nas primeiras semanas de teste mas queria contar as duas coisas interessantes que observei até agora em mim.

  • Senti que meu apetite diminuiu. Minha fome ficou mais controlada (tudo que ela, definitivamente, não é). Sempre tento tomar água nos intervalos das refeições e percebi que, de alguma maneira, meu corpo sentiu menos fome nas últimas semanas. Sabe aquela “vontade” que quem é guloso sente quase o dia todo? Sumiu. Ponto para o meu processo de emagrecimento!;
  • Comecei a ir mais no banheiro e as fezes se modificaram muito (e se você não presta a devida atenção ao seu cocô você está fazendo muito errado). Por meio da observação das fezes se pode fazer diversos diagnósticos importantes sobre como anda a nossa saúde, sobre o equilíbrio do nosso organismo. Quer entender um pouco mais sobre isso? Assista a esse vídeo. Algumas pessoas podem pensar “mas você pode ter mudado alguma outra coisa” e realmente poderia ter sido alguma outra mudança, mas na semana passada precisei acompanhar uma pessoa internada e fiquei alguns dias sem conseguir tomar minha água. Resultado? Fiquei totalmente entupida de novo. E quando voltei à minha rotina da água alcalina ionizada tudo voltou a funcionar como mágica. Mas não é mágica, é água de qualidade nutrindo o corpo.

Sobre os benefícios do PH acima de 7

Escala de PHMuita gente ainda tem dúvidas sobre os benefícios que a água com PH acima de 7 oferece para o corpo. Estudos observaram que em locais onde a água é naturalmente mais alcalina a expectativa de vida é mais alta. Por cuidar da saúde de forma generalizada, a água alcalina equilibra o corpo, ajustando o funcionamento dos órgãos e sistemas vitais do organismo. A vida que se vive hoje acaba elevando a nossa acidez: dormimos pouco, comemos dietas não balanceadas, abusamos de bebidas alcoólicas, café, refrigerantes e ainda nos estressamos com muito mais frequência do que nossos avós. Tudo isso faz com que os radicais livres façam a festa e acabamos adoecendo com mais facilidade e envelhecendo antes do tempo.

Se a água além de alcalina for ionizada, melhor. Isso aumenta seu poder antioxidante e ainda ajuda a tratar a gastrite ácida, causada principalmente pelo refluxo (quando o conteúdo do estômago – alimento ou líquido – vaza em direção contrária ao estômago para o esôfago – o tubo da boca ao estômago. Essa ação pode irritar o esôfago, causando azia e outros sintomas).

::::::::

Você também pode se interessar:

A poderosa chia

Deixe um comentário

Pequenas e sem muita graça, as sementes de chia são muito mais do que aliadas nas dietas de emagrecimento e modinha fitness. Não é à toa que ela é considerada um super alimento há séculos e que sua descoberta pelos entusiastas da alimentação saudável foi um verdadeiro boom aqui no Brasil: segundo especialistas, em uma colher de sopa do grão há três vezes mais ferro do que no espinafre, cinco vezes o cálcio existente no leite, o dobro de potássio da banana, duas vezes mais proteína que qualquer outro grão ou semente e três vezes a quantidade de antioxidantes de mirtilos (blueberries).

Originária do México, quando é umedecida ou colocada em contato com um alimento que possui água, absorve o líquido e incha criando uma membrana gelatinosa à sua volta que faz com que o alimento seja digerido mais lentamente. Isso baixa o índice glicêmico da refeição e evita picos de glicose no sangue – um dos principais motivos para o desenvolvimento da síndrome metabólica (que envolve o aparecimento precoce de doenças cardiovasculares ou diabetes tipo 2). Um estudo publicado no British Journal of Nutrition concluiu que incluir o grão à dieta melhora a resistência à insulina, fundamental para o controle do diabetes.

Com ação anti inflamatória (por conta de suas altas taxas de ácidos graxos e ômega 3) e antioxidante, ajuda a retardar o envelhecimento, combatendo a formação de radicais livres. A alta taxa de ácidos graxos poli-insaturados, que formam as células nervosas, garantem uma memória mais afinada, reduzem a ansiedade e a depressão, melhoram o sono e o humor.

Eu, que estou tentando eliminar a proteína animal da dieta, ganhei mais qualidade nas minhas refeições porque a chia é rica em aminoácidos essenciais, sendo uma ótima fonte de proteína vegetal e complemento ideal para vegetarianos e veganos. \o/

Bonita de ver, gostosa de comer. E, sim, ela auxilia no processo de emagrecimento porque sua alta taxa de fibras solúveis formam uma gelatina no estômago e fazem com que você se sinta cheio mais rápido. Ou seja, você come menos, perde os quilinhos a mais ou mantém seu peso com maior facilidade. As mesmas fibras dão uma ajuda preciosa na hora de ir ao banheiro, combatendo a prisão de ventre.

Você pode acrescentar chia nas sopas, saladas verdes ou de frutas, nas omeletes, sucos, iogurte e onde mais a sua imaginação inventar. Aqui no blog já ensinei a fazer uma geleia de uva de chia deliciosa, mas existem milhares de receitas por aí. Uma porção de 3 gramas – algo como uma colher de chá – não compromete o total de calorias ingeridas e acrescenta muita saúde ao seu prato.

::::::::

Leia também:

Receita: barra de cereais natural caseira


Eu sei. Tem um monte de barras de cereal pra comprar prontinhas no mercado. Mas a verdade é que, por mais naturais que elas possam ser, nunca serão tão saudáveis quanto aquelas em que você coloca ingredientes escolhidos a dedo, orgânicos, frescos, sem aditivos como corantes, aromatizantes, espessantes etc. Ou seja, nunca serão aquelas que fazemos nós mesmos, em nossas queridas e familiares cozinhas.

Procurei por várias receitas e a que mais gostei foi essa, originalmente publicada no blog Barra de Cereal. Você pode variar, combinar novos sabores, fazer experiências criativas. Existem tantas possibilidades!

Anote os ingredientes:

  • 1 ½ xícara de chá (135g) de grãos de aveia prensados ou flocos
  • ½ xícara de chá (70g) de amêndoas
  • ½ xícara de chá de sementes de chia
  • ½ xícara de chá de mix de sementes de girassol, sementes de abóbora e gergelim
  • ½ xícara de chá de ameixas secas (+ ou – 11)
  • ½ xícara de chá de uvas passas pretas
  • 5 colheres de sopa de melaço ou mel
  • Canela a gosto (como eu adoro, coloquei um tanto)

Pique as ameixas em pedaços bem pequenos. O ideal é que elas estejam bem moles, quase desmanchando. Se estiverem muito secas, hidrate por cerca de 10 minutos mergulhando-as em um pote de água. Se tiver processador de alimentos, bata até obter uma pasta. Eu usei o meu mixer e acabou tendo um efeito parecido. Junte o mel ou melaço. Eu fiz o meu melaço com açúcar demerara (feito da cana de açúcar e não refinado) derretido em banho-maria.

Em outro pote, pique bem as amêndoas, acrescente as sementes, a aveia, as uvas passas e a canela. Misture bem. Junte a massa de melaço e ameixas. Misture de novo. Coloque papel vegetal (ou papel manteiga) em uma forma retangular de cerca de 10 cm x 20 cm. Distribua a pasta, cobrindo o fundo da forma. Para alisar e deixar uma camada de altura mais uniforme, prense com as costas de uma colher.

Leve ao forno por 20/25 minutos (ou até que a superfície fique dourada) em temperatura de 160ºC. Dê uma olhada de vez em quando porque cada forno é um forno. Retire a forma e deixe esfriar por alguns minutos. Se você cortar as barras antes que estejam frias, elas vão desmanchar. Por isso, paciência.

Depois de prontas, guarde em um recipiente fechado na geladeira por até uma semana. A receita rende de 4 a 6 barrinhas. Cuidado pra não comer tudo de uma vez porque elas são saudáveis mas calóricas, ok?

Fiz também uma outra versão sem tantas sementes usando aveia em flocos, bananas – duas secas picadas, duas maduras amassadas, uva passa e chia. Ficou ótima.

Animou fazer a sua versão? Depois vem contar como ficou! :)

::::::::

Leia também:

 

Desafio 365 dias: água alcalina ionizada

28 Comentários

Desde que comecei a mudar minha dieta alimentar e meus hábitos para melhorar minha qualidade de vida, uma das principais coisas em que coloquei uma atenção maior foi na água que tomo.

Um dos posts mais acessados do blog é exatamente o que ensina alguns truques para alcalinizar a água caso você não possua um aparelho que faça isso para você. Usei muito limão e bicarbonato para alcalinizar o meu corpo mas, confesso, minha vontade era testar um desses super filtros importados que transformam a água em um verdadeiro agente de saúde integral.

Filtro Purion BMT 501T: modelo que vai ser alvo do teste

Filtro Purion BMT 501T: modelo que vai fazer parte do teste

Agora isso vai acontecer. Fui desafiada pela marca de filtros Purion a testar o aparelho que além de alcalinizar, ioniza a água, e vou contar pra vocês aqui no blog tudo o que acontecer comigo durante o Desafio 365 dias de água alcalina ionizada. A ideia é consumir a mesma quantidade que costumo tomar todos os dias (cerca de 1,5 a 2 litros) e usar a água para preparar a comida, além de testar outras funções do filtro, que também fornece água ácida para higienizar frutas/verduras/legumes, por exemplo.

O filtro é certificado pelo INMETRO e os laudos (que eu vi antes de aceitar fazer o teste) comprovam a filtragem de 99,28% do cloro (que é adicionado nas estações de tratamento de água para conter epidemias de bactérias como E. Coli) e 99,60% das partículas suspensas (leia-se sujeira) que vem da água que recebemos pelo encanamento. Ou seja, além de alcalinizar e ionizar a água, ele ainda filtra melhor que muitos outros aparelhos disponíveis no mercado.

A verdade é que a oferta abundante de água no Brasil – pelo menos por enquanto, pois parece que as coisas estão mudando – faz com que as pessoas prestem pouca atenção à qualidade da água que bebem. Em países orientais, como Japão e Coréia (de onde vem o filtro Purion), o sistema que alcaliniza/ioniza a água é bastante utilizado não somente nas residências, mas também pelo sistema de saúde local que considera esse tipo de água como medicinal – com benefícios de uso na prevenção e tratamento de doenças já confirmado.

Vou contando pra vocês conforme for usando e verificando os resultados. Os posts serão publicados sempre às quartas-feiras, com um resumo sobre minhas descobertas, impressões e tudo o que aconteceu na semana anterior.

Vamos lá! :)

::::::::

Leia também:

10 benefícios do zinco que você deveria conhecer

7 Comentários

Ingerir a quantidade correta de zinco diariamente pode fazer uma grande diferença para sua saúde. Muita gente ouviu falar desse mineral por conta do seu poder de melhorar todo o sistema imunológico do organismo, mas os benefícios vão muito além disso. Pesquisadores já escreveram que “o zinco é tão crítico para a saúde humana que até mesmo uma pequena deficiência desse elemento pode ser um desastre”.

O zinco é tão importante porque faz parte de todos os tecidos do nosso corpo e está diretamente envolvido na divisão celular. É um poderoso antioxidante, ajudando a prevenir o câncer, mas também faz parte do funcionamento correto das funções endócrinas e da manutenção do nível ideal dos nossos hormônios.

A deficiência de zinco pode interferir na fertilidade de mulheres e homens e ser uma das causas da diminuição da libido. Sua falta também aumenta os efeitos do estresse no corpo e acelera o envelhecimento. Níveis adequados de zinco são necessários para quem faz atividades físicas, ajudando a manter a energia e melhorar a performance. Ele ainda afeta a síntese de proteínas e é necessário para a produção das células sanguíneas.

Fique atento para alguns dos sintomas da deficiência de zinco no organismo: alterações no paladar que podem fazer com que se sinta uma vontade anormal de ingerir alimentos salgados ou doces. Falta de energia, fadiga crônica, baixa imunidade, falta de foco e má memória são outros indicadores. Como muitos deles podem ser associados a outros problemas de saúde, muitas vezes é difícil relacionar a falta de zinco sem fazer exames de sangue.

Porque suplementar o zinco

#1 Melhora a força e a performance física –  o mineral tem papel fundamental na produção dos hormônios anabólicos do corpo. Pesquisas mostram que uma oferta ampla de zinco permite que o organismo libere maior quantidade dos três mais importantes hormônios relacionados a performance e ao desenvolvimento de força: testosterona, hormônio do crescimento (GH) e IGF-1 (insulin-like growth factor-1). Sem eles o corpo perde massa muscular e diminui o desenvolvimento de força, mesmo com seus esforços aumentando na academia.

#2 Ajuda na saúde reprodutiva e fertilidade masculina – as células da próstata precisam de altas concentrações de zinco (dez vezes mais do que as outras células do corpo) para que seu funcionamento seja ideal, o que requer altos níveis de testosterona. Baixos níveis do mineral podem comprometer a produção do hormônio, causando infertilidade e aumentando o risco de desenvolver câncer de próstata. Alguns pesquisadores já consideram a suplementação de zinco como um promissor tratamento anticâncer, indicando acompanhamento e ingestão de doses adequadas como uma das melhores ações preventivas à doença. Eles sugerem, inclusive, que seu uso pode prevenir outros tipos de câncer relacionados como de ovários, mama e do colo do reto.

#3 Ajuda na saúde reprodutiva e fertilidade feminina – nas mulheres, o zinco está diretamente relacionado ao processo de crescimento dos óvulos. Quando há deficiência do mineral os óvulos não se desenvolvem como deveriam e a ovulação fica comprometida, causando infertilidade. Níveis adequados de zinco permitem que o uso do estrogênio e da progesterona seja mais eficiente, ajudando na saúde reprodutiva como um todo e assegurando que o estrogênio cumpra o seu papel.

#4 Previne o câncer e aumenta a imunidade – Ananda Prasad, reconhecida pesquisadora na área de saúde (especificamente zinco), diz que somente ao assegurar que se está com os níveis adequados de zinco no organismo já ajuda na cura da maioria de problemas graves de saúde, especialmente câncer e doenças relacionadas ao mal funcionamento do sistema imune. Assim como no câncer de próstata, a falta de zinco tem papel importante no desenvolvimento da maioria dos cânceres por ser essencial para uma proliferação celular saudável.

#5 Melhora a saúde cardiovascular – Por ser vital para a saúde das células cardiovasculares e do endotélio (fina camada de células das artérias que têm papel fundamental na circulação sanguínea), a deficiência de zinco pode levar ao aumento do colesterol e dos processos inflamatórios – uma combinação que potencializa o risco de doenças coronárias.

#6 Aumenta a sensibilidade à insulina e previne o diabetes – o zinco é necessário para a maioria das funções hormonais do organismo, incluindo a que se refere à insulina. Ele faz com que a insulina seja adequadamente armazenada pelo pâncreas e liberada quando a glicose entra na corrente sanguínea. Ele melhora a saúde celular, fazendo com que uma série de enzimas necessárias na formação de insulina se combinem com as células o que possibilita a entrada da glicose e seu uso como combustível – a tão falada sensibilidade à insulina. Se a célula é resistente à insulina a glicose não penetra e continua na corrente sanguínea, aumentando as taxas de açúcar no sangue e consequentemente leva ao ganho de peso. Quando a concentração de zinco fica muito baixa há uma redução da secreção de insulina e da sensibilidade ao hormônio o que, quando acontece repetidamente, leva ao aparecimento do diabetes. Um estudo recente em uma escola infantil espanhola descobriu uma relação direta entre taxas baixas de zinco, maior índice de gordura corporal e resistência à insulina. As crianças que foram classificadas como tendo baixas concentrações de zinco tinham menos sensibilidade à insulina e altas taxas de açúcar no sangue, enquanto que as que tinham o zinco balanceado no  organismo possuíam números adequados.

#7 Oferece efeitos super antioxidantes – antioxidantes têm o propósito de eliminar radicais livres que causam danos às células do corpo ao se unirem a elas e neutralizá-las. O zinco é particularmente bom em conter o efeito nocivo de taxas muito altas de ferro. Ele também afeta radicais livres que causam inflamação  e é especialmente efetivo na desintoxicação do cérebro.

#8 Desintoxica o cérebro dos metais pesados e previne o Alzheimer – a progressão da degeneração neural e do mal de Alzheimer é acelerada pela presença de metais pesados que vão se acumulando no cérebro. O zinco remove de maneira eficiente essas toxinas do organismo evitando que se acumulem no tecido e causem dano. Além de ajudar na remoção dessas toxinas, o zinco ainda ajuda a manter as células do cérebro saudáveis.

#9 Melhora as funções cerebrais e trata os distúrbios de hiperatividade – o zinco tem papel fundamental na função neurotransmissora e ajuda a manter a estrutura e a saúde cerebral. É necessário no metabolismo da melatonina, que regula a dopamina. O zinco também é parte da enzima que processa os ácidos graxos na membrana cerebral. Isso é muito importante para ajudar na saúde do cérebro, certificando que seja sempre bem nutrida. Um estudo com ratos mostrou que ao ingerir um suplemento de zinco durante o período de gestação e lactação os recém-nascidos tinham melhor memória espacial e desenvolvimento cognitivo. Estudos também mostram que crianças com distúrbio de hiperatividade tendem a ter um nível de zinco mais baixo que o de crianças saudáveis.

#10 Eleva o bom humor e evita a depressão – a exata relação entre a deficiência de zinco e a depressão ainda é desconhecida, mas certamente está diretamente ligada ao papel do mineral na função neurotransmissora e na produção dos hormônios. A produção de dopamina, que é parcialmente regulada pelos níveis de zinco, é uma reação química que dá um gás na energia, no humor e no aprendizado orientado por recompensa. A baixa quantidade de hormônios como insulina e testosterona pode levar a problemas de saúde que aumentam os estados de depressão e baixa energia. Um novo estudo do Journal of Affective Disorders mostrou que a deficiência de zinco pode afetar mais as mulheres do que os homens nos casos de depressão. As mulheres do estudo que já usavam antidepressivos e tinham baixos índices de zinco tinham um risco cinco vezes maior de apresentar quadros de depressão do que as que não possuiam níveis baixos do mineral. Nas mulheres o estrogênio está envolvido na produção de serotonina – neurotransmissor que faz com que as pessoas se sintam bem – e a suplementação de zinco pode aumentar a densidade dos receptores de serotonina no cérebro.

Como testar o nível de zinco no seu corpo?

Antes de sair correndo para comprar suplementos de zinco, saiba que existe um limite diário para ingestão do mineral e que ingerir altas doses pode levar a quadros de toxidade que diminuem a imunidade e podem levar a infertilidade, assim como os baixos níveis de zinco. Os especialistas sugerem que se faça um exame de sangue pedido por um médico de sua confiança para depois suplementar o mineral. Uma vez que se tenha feito isso, os níveis de zinco devem subir e o exame deve ser refeito depois de seis meses para verificar se as quantidades ingeridas estão sendo as ideais.

Uma maneira mais simples de testar os níveis de zinco no corpo é um teste de paladar. Ele funciona porque paladar e olfato são dependentes de níveis adequados de zinco no organismo. Para fazer o teste coloque duas colheres de chá de zinco sulfato em pó em um copo de água e tome, segurando os goles na boca por alguns segundos antes de engolir. Se o gosto for somente de água você está com níveis de zinco bastante baixos. Se o gosto for levemente metálico, os níveis de zinco estão moderados. Se o gosto for muito ruim – fortemente metálico – os níveis do mineral provavelmente estão adequados. Esse teste, claro, é subjetivo e não é 100% válido, mas é uma boa maneira de começar.

[matéria original em inglês]

::::::::

Leia também: